Advogado protocola queixa-crime contra exposição no “Queermuseu”

Exposição gerou revolta na população

Na última sexta-feira (08), o advogado Adão Paiani protocolou uma queixa-crime contra os dirigentes da exposição no “Queermuseu”, financiada pelo Banco Santander através da Lei Rouanet no valor de quase R$ 1 milhão.

O objetivo da exposição era promover o “respeito” pela diversidade, entretanto, acabou indignando muitas pessoas, uma vez que algumas das obras faziam apologia à pedofilia e ao crime de vilipêndio de objeto religioso.

Leia a postagem do advogado em suas redes sociais:

“Caros amigos, na convicção de que a indignação que não leva à ação inócua, informo que estou protocolando notícia-crime contra todos os responsáveis pela exposição criminosa no Santander Cultural em Porto Alegre. O anunciado cancelamento da amostra não impedirá a responsabilização criminal de todos os envolvidos. Também irei até as últimas consequências para que os recursos tomados do Ministério da Cultura, via Lei Rouanet, sejam devolvidos aos cofres públicos e os responsáveis pelo desvio de finalidade devidamente responsabilizados.”